Basta ter um smartphone, que o SmartGuia: Shopping Assistant for Blind People, um «guia inteligente para orientar pessoas cegas», faz o resto. Esta aplicação foi desenvolvida por uma equipa de investigadores da Universidade de Coimbra (UC) e pretende ser útil aos cegos, quando têm coisas para tratar em edifícios públicos.

O guia foi criado em colaboração com a Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal (ACAPO) e pretende, assim, «aumentar a autonomia das pessoas cegas nas atividades do seu quotidiano», sublinha uma nota da UC, divulgada esta sexta-feira.

Trata-se, na prática, de uma aplicação para Smartphone desenhada para ajudar, de forma rápida, intuitiva e segura, o utilizador a encontrar serviços e produtos desejados no interior de edifícios públicos.

O novo sistema utiliza as tecnologias Bluetooth e Wi-Fi para «orientar o cego até ao seu objetivo, respondendo a perguntas e facultando informação clara sobre lugares, produtos e serviços que se encontram no edifício», explica José Cecílio, coordenador do projeto, citado pela Lusa.

«É acionado pelo utilizador e, a partir daí, atualiza constantemente a informação»: estabelece percursos, indica distâncias, identifica pontos de interesse ou descreve o ambiente envolvente (referindo, por exemplo, a que distância há elevador ou escadas), exemplifica José Cecílio.

Simplifica, também, o trabalho do utilizador em termos de especificação daquilo que ele pretende, podendo «dizer simplesmente palavras que identifiquem o que deseja, tais como 'comer’ ou ‘comprar roupa’», salienta o investigador.

«O sistema consegue reconhecer essas palavras-chave, questionando de seguida sobre preferências mais concretas», como indicar os restaurantes que existem, podendo, depois, o utilizador escolher qual deles deseja. «Uma vez completo o processo de escolha do destino, o sistema guia o cego oralmente» até ao local pretendido.

Apesar de ter sido desenvolvido para guiar invisuais, este sistema, premiado recentemente pelo Instituto Fraunhofer Portugal, pretende alargar a utilização a qualquer cidadão.

O objetivo é que, ao entrar num centro comercial, por exemplo, o cliente possa saber quais «as lojas que estão com promoção nesse dia, em que produtos e qual a percentagem de desconto», sintetiza o investigador da UC, adiantando que vai ser «implementado um projeto-piloto num centro comercial de Coimbra».