A rede social Twitter faz na segunda-feira apenas 10 anos, mas cresceu tanto que é utilizada muitos milhões de pessoas, juntou o cidadão comum a Barack Obama ou ao Papa, esteve em revoluções e mudou a imprensa.

Nada o fazia prever, segundo vários utilizadores e especialistas ouvidos pela Lusa, quando a 21 de março de 2006 quatro norte-americanos criaram uma espécie de serviço de mensagens (sms) para a internet com um limite de 140 carateres. Afinal o suficiente para mudar o mundo.

"Sem o Twitter e sem o Facebook a sociedade não seria a mesma", diz Gustavo Cardoso, professor do ISCTE e especialista em redes sociais, acrescentando que o Twitter, por ser uma "ferramenta aberta para comunicar com todos", tornou-se essencial nomeadamente para os políticos.

Mas não só, são centenas de milhões os que o usam hoje mensalmente e aos sete anos já tinha entrado na bolsa de Nova Iorque (em 2013). Ainda que em Portugal tenha uma cobertura modesta se comparado com outras redes sociais, segundo um estudo do Instituto Reuters do ano passado sobre hábitos de consumo de informação digital.

No país, segundo o estudo, é ainda a televisão que prevalece e o Facebook nas redes sociais, com o Twitter a merecer a preferência de três por cento dos internautas.

Se em Espanha o Twitter foi uma ferramenta de "contracultura", para o movimento que levou ao Podemos, em Portugal foi aproveitado pelos líderes de opinião, jornalistas, analistas, políticos, figuras públicas, que foram os primeiros a adota-lo e que "criaram uma imagem de marca", tornando-o mais elitista, diz Gustavo Cardoso.

"É para uma elite tecnológica, que saiba comunicar", contrapõe Pedro Aniceto, gestor de produto e um dos primeiros adeptos do Twitter e ainda assim há menos de uma década.

Basicamente é uma rede social de conversa, de respostas curtas e rápidas onde os usuários seguem outros, respondem, comentam, repetem a mensagem, em tempo real ou não, mas sempre grátis. Grandes empresas aprenderam a divulgar aí os seus produtos.

Francisco da Silva, que foi director de Marketing do Twitter em Portugal, diz que em 2015 aumentou em mais de um terço a presença de empresas na plataforma, de áreas que vão do retalho a bancos ou seguros.

"O Twitter é uma plataforma para um público mais maduro, habituado ao comércio online", diz à Lusa, acrescentando que a rede permite comunicar de forma próxima com os consumidores.

Conhecedor da plataforma, Francisco diz-se ainda assim espantado com a capacidade de inovação do Twitter, que permite agora, por exemplo, a transmissão de vídeo em tempo real.

"Não temos ideia o quão longe isto vai chegar", afiança.

Gustavo Cardoso também salienta a importância para as empresas mas destaca o aproveitamento de políticos, como Barack Obama (naturalmente com milhões de seguidores) ou como os candidatos à Casa Branca nas próximas eleições.

"Hoje a comunicação já não é de massas, é de rede, com o Facebook e o Twitter a unir essa comunicação global", diz, acrescentando que um utilizador pode chegar a mais pessoas do que a televisão ou os jornais.

O Twitter começou por ser "um clã" e ainda hoje se divide em clãs, de futebol, de política, de humor, de campanhas eleitorais, mas é também "uma fonte noticiosa brutal", diz Pedro Aniceto, lembrando que foi lá a primeira foto da "aterragem" de um avião comercial no rio Hudson, em Nova Iorque, em 2009.

E recorda o tópico (hashtag) "dodass", quando uma passageira relatou em direto a colisão de comboios em Alfarelos, em 2013. "Não era dodass que queria escrever mas estava escuro na carruagem", justifica.

Alberta Marques Fernandes, jornalista da RTP e também uma das primeiras a usar o Twitter, diz que não há "redes sociais para isto ou aquilo", confessa que hoje só a utiliza para trabalhar por falta de tempo ("tinha muitos seguidores e sentia-me mal por não poder responder a todos"), mas garante que para o jornalismo "é imbatível".

"O Twitter é uma janela para os caracteres que quisermos, os 140 são um ´teaser´. Se nos interessa uma história podemos sempre passar a seguir mais pessoas. Na ´primavera árabe´ de repente estava a seguir argelinos e líbios. E depois dá uma proximidade muito interessante com as pessoas, há uma relação direta", diz a jornalista, acrescentando: "temos de estar onde as pessoas estão, se estão no online vamos para o online".

Há alguns anos recebeu um hamburger de um utilizador da rede enquanto apresentava as notícias mas Alberta lembra também o temporal da Madeira de 2010: "foi o Twitter que me ajudou a tarde inteira".

Ou lembra o apoio (um beijo de boa sorte) a uma pessoa que ia ser operada em Coimbra e que o recebeu por um enfermeiro que viu a mensagem.

Histórias do Twitter, que ainda na sexta-feira serviu para o primeiro-ministro luxemburguês anunciar um acordo da União Europeia sobre a crise migratória. Se aos 10 anos é assim não se imagina como será aos 20.