O Ministério da Educação da Turquia está a proibir os estudantes de publicar imagens e opiniões sobre a vida escolar no Facebook, no Twitter e noutras redes sociais, avança a Agência France Press.

Desde o dia 1 de julho que os estudantes não podem partilhar imagens ou fotografias do interior da escola sem autorização do professor, nem fazer comentários sobre os colegas de sala ou sobre os auxiliares de educação.

Quem infringir a regra, publicada no equivalente ao Diário da República português, arrisca-se a enfrentar um processo disciplinar ou mesmo a ser expulso da escola.

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, e o Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP), do qual faz parte, têm sido criticados nas redes sociais pela medida.

Em abril, o parlamento da Turquia já tinha aprovado leis que lançam um controlo mais apertado sobre a Internet. O Governo passou a poder bloquear sites sem autorização judicial.

Em 2014, o executivo bloqueou mesmo o Twitter e o YouTube, depois destas redes sociais terem sido utilizadas para difundir gravações áudio que denunciavam um escândalo de corrupção, no qual estava envolvido o presidente Erdogan.

O partido AKP tem sido acusado de islamizar a educação na Turquia.