Depois de terem sido divulgadas fotografias íntimas de várias celebridades, extraídas do armazenamento em nuvem («iCloud») da Apple, a empresa emitiu esta terça-feira um comunicado onde garante não ter havido qualquer invasão no sistema de segurança.

«Depois de 40 horas de investigação, descobrimos que algumas contas de celebridades foram comprometidas por um ataque muito dirigido aos nomes de utilizadores, palavras-chave e perguntas de segurança, uma prática que se tornou muito comum na internet», lê-se no comunicado da Apple.

A empresa fundada por Steve Jobs ainda adianta que «nenhuma das invasões dos casos investigados resultou da quebra de segurança do sistema operativo Apple, onde está incluído o «iCloud» ou «Encontra o meu iPhone».

No final do documento, a empresa deixa ainda conselhos sobre a forma mais segura de criar e renovar as palavras de segurança das contas e equipamentos Apple.

A declaração foi a primeira desde a revelação, durante o fim de semana, de fotografias de nus de dezenas de celebridades, entre as quais a atriz Jennifer Lawrence e a modelo Kate Upton.

A agência federal de investigação (FBI, na sigla em Inglês) confirmou que está a investigar o caso.

Na declaração, a Apple sugeriu que as celebridades tiveram as suas contas atacadas por escolherem palavras-chave fáceis de adivinhar ou por entregarem a sua informação pessoal a criminosos informáticos disfarçados de Apple, uma técnica conhecida como «phishing».

Centenas de fotografias de nus de personalidades mediáticas foram distribuídas, causando ondas de choque em Hollywood e na comunidade de segurança informática.

Entre as celebridades com fotografias alegadamente roubadas estão também a cantora Avril Lavigne, a atriz Hayden Panettiere ou o futebolista Hope Solo.