Um asteróide do tamanho de uma casa vai passar a apenas 42 mil quilómetros da Terra já esta quinta-feira. A maior aproximação à Terra deste asteroide está prevista para as 5:40 da madrugada, sobre a Antártida.

A passagem acontece a pouco mais de um décimo da distância da Lua e pouco acima da altitude (36 mil quilómetros) a que estão os satélites de comunicação que orbitam a Terra.

No entanto, apesar da proximidade, a passagem do 2012 TC4 não representa qualquer perigo para a Terra ou para os satélites. Oferece sim uma oportunidade única aos especialistas para testar a capacidade de comunicação e coordenação internacional num cenário real.

Este asteróide, que tem entre os 15 e os 30 metros, foi descoberto em 2012, pelo telescópio da NASA, no Havai. No entanto, pouco depois, desapareceu do alcance dos telescópios.

Apesar da rápida aparição, os cientistas conseguiram prever que voltariam a ver o 2012 TC4 durante o outono de 2017 e, segundo Mike Kelley, que lidera a equipa da Nasa, há dois meses que o asteróide está a ser observado pelos peritos.

"Estamos a observar o TC4 há dois meses, temos informação bastante exata sobre a sua posição, o que permite cálculos muito precisos sobre a sua órbita", afirmou ao The Guardian, acrescentando que "não há perigo, nem para os satélites".

Esta passagem do asteróide vai permitir testar o projeto de sistema de alerta global para o impacto de asteróides, financiado pelo Gabinete de Coordenação de Defesa Planetária da NASA e que envolve observatórios, laboratórios e universidades de todo o mundo.