«Uma amamentação mais alargada, até completar 12 semanas de vida em cada bebé pode reduzir significativamente o risco de cancro da mama», afirmou Colditz.