O Núcleo Distrital de Apoio à Vítima de Castelo Branco (NAV), registou 114 novos casos de violência doméstica em 2013, disse hoje à agência Lusa o seu presidente.

«Em 2013, o NAV registou 114 novos casos de violência doméstica e tivemos uma média de 730 atendimentos. Nos dois primeiros meses deste ano, já foram contabilizados 11 novos casos e temos registado uma média de 60 atendimentos», disse Arnaldo Brás.

O presidente da Associação Amato Lusitano, entidade responsável pela gestão do NAV, explicou ainda que, no ano passado, do total de casos de violência doméstica registados, 109 são mulheres e cinco homens.

«Por ano, o NAV atende um número sempre superior a 100 vítimas, das quais cerca de 95% são mulheres e 5% são homens. As respostas dadas às vítimas de violência passam por um atendimento individualizado, com prestação de apoio psicológico, social e sinalização para apoio jurídico», disse.

Em alguns casos, Arnaldo Brás referiu que há a necessidade de encaminhamento das vítimas para casas de abrigo ou centros de acolhimento e emergência.

«Dos números apurados pelo NAV, podemos dizer que é visível um aumento do número de novos casos sinalizados», referiu Arnaldo Brás.

O presidente da Associação Amato Lusitano sublinhou ainda que estes aumentos «podem não refletir exatamente um aumento real do número de casos de violência», mas serem considerados «resultado de uma maior consciência pública sobre o problema e um acesso melhorado à informação e aos serviços de apoio» por parte das vítimas.

Arnaldo Brás explicou também que a conjuntura económica atual, em si, pode não ser um fator explicativo para o aumento ou decréscimo do número de casos de violência doméstica.

«Compreendemos, no entanto, que o mesmo pode trazer dificuldades na reintegração destas [vítimas], nomeadamente no que se refere à sua autonomia financeira», concluiu.

O NAV, que integra atualmente a Associação Amato Lusitano, como entidade gestora, foi reestruturado em outubro de 2010.

Atualmente, atua em cooperação com a Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género e tem formalizados protocolos de cooperação com o Instituto da Segurança Social, GNR, PSP, Unidade Local de Saúde de Castelo Branco, o Centro Hospitalar da Cova da Beira, Secretariado Distrital de Castelo Branco da União da Misericórdias Portuguesas, Ordem dos Advogados do Fundão, Castelo Branco e Covilhã.

O núcleo é financiado pela Segurança Social, tendo-lhe sido atribuída uma verba adicional em julho de 2012, e reforçada em outubro de 2013, pelo Gabinete da secretária de Estado dos Assuntos Parlamentares e da Igualdade.