Neste hotel pode deitar-se a ver Espanha e acordar a ver Portugal

Caminha: novo hotel rotativo aposta em vinhos nacionais

Por: Redação / CBA    |   18 de Maio de 2012 às 17:36
Foi hoje inaugurado um hotel de quatro estrelas, em Caminha, voltado para o rio Minho, que aposta em aliciar turistas galegos e tornar o hotel num ponto de lançamento da promoção dos vinhos da região, segundo informações da agência Lusa, divulgadas esta sexta-feira.

O hotel, que tem um investimento de mais de quatro milhões de euros, «tem características muito específicas, sobretudo destinadas ao público espanhol, desde logo porque é inovador, ao nível da decoração e da restauração. Esperamos uma percentagem muito elevada de galegos e temos tido um interesse enorme da parte deles nos últimos dias», explicou Maria José Guerreiro, da administração do hotel.

O hotel consegue fazer uma rotação sobre si próprio, de 35 graus, a 2,5 metros do solo, ou seja, o ocupante pode «deitar-se a ver o monte de Santa Tecla [na Galiza] e a acordar voltado para a foz do rio Minho», explicam os promotores.

Este módulo rotativo, além dos aproveitamentos energéticos e do recurso a energias renováveis, assegura a componente de «inovação» para classificar o empreendimento como um hotel de design.

«Este investimento representa o olhar para o futuro», admitiu o ministro dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas, presente na cerimónia oficial de abertura, realizada hoje.

Este hotel conta já com uma adega com 300 referências de vinhos nacionais e sala uma de exposições, que será usada para eventos culturais locais.
Partilhar
EM BAIXO: Caminha: novo hotel rotativo
Caminha: novo hotel rotativo

COMENTÁRIOS

PUB
Défice da Segurança Social já é duas vezes maior do que devia

Só até agosto, saldo negativo foi de 829 milhões de euros. Meta para todo o ano de 2014 era de 495 milhões. Relatório da UTAO indica, também, que pensionistas já deram 455 milhões ao Estado com contribuição extraordinária de solidariedade. Unidade técnica de apoio ao Parlamento critica, ainda, uso dos impostos para pagar despesa pública que não estava prevista