Notícia atualizada às 19:20

A Polícia Judiciária esteve esta quarta-feira a realizar buscas na sede da CP.

Fonte da CP «confirmou» as buscas à TVI e revelou que está a «colaborar» com as autoridades, sem, no entanto, adiantar o que está em causa, alegando o segredo de justiça a que o processo está sujeito.

As buscas terminaram ao final da tarde, conforme a CP informou à Lusa, e «todos os elementos solicitados» foram entregues às autoridades.

Segundo fonte policial, estão em causa indícios de corrupção ligados a um negócio feito pela CP há uns anos, de venda de carruagens usadas para a Argentina.

A mesma fonte adiantou que na Argentina decorre uma investigação paralela sobre o mesmo assunto.

Em 2005, a CP vendeu 2.135 toneladas de «material circulante» (carruagens e locomotivas) destinado aos caminhos-de-ferro da Argentina.

O negócio destas carruagens e locomotivas, fechado por 6,9 milhões de euros, foi celebrado pela CP e pela Secretaria de Estado portuguesa dos Transportes com o departamento governamental homólogo da Argentina.

Na altura, a Secretária de Estado dos Transportes era a socialista Ana Paula Vitorino.

Este contrato foi celebrado durante uma visita a Portugal, em 31 de maio de 2005, do secretário de Estado argentino dos Transportes, Ricardo Jaime, no contexto das relações económicas entre os dois países.

Trata-se de material circulante que a CP tinha desativado em 2003, em consequência da progressiva eletrificação e modernização das ferrovias portuguesas, e que foi revisto pela Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário, do grupo CP, refere a Lusa.