Pelo menos 40 pessoas desalojadas, casas, carros e duas fábricas danificados, postes de eletricidade caídos. É esse o primeiro balanço dos bombeiros sobre o mau tempo que afetou na madrugada deste sábado o concelho de Paredes, no distrito do Porto.

Fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) do Porto, citada pela Lusa, refere que as condições meteorológicas adversas e vento forte provocaram «queda de árvores e postes» e «arrancaram telhados», em especial nas freguesias de Lordelo, Vilela e Duas Igrejas. As chuvas e o vento também provocaram danos em 14 habitações, causaram estragos num armazém e numa fábrica de móveis, em oito veículos e falhas no fornecimento de eletricidade.

Em Lisboa, na Ponte 25 de Abril, a faixa esquerda foi cortada durante a manhã nos dois sentidos devido ao mau tempo e «vento muito forte», que obrigou motos e camiões a circular apenas em grupo, explicou à Lusa fonte do Comando Metropolitano da PSP de Lisboa.

«As motas e os camiões estão a ser agrupados e não podem circular isoladamente para haver menos riscos. Isto porque se um camião ou uma mota atravessar a ponte sozinho há mais risco de poderem entre aspas voar», explicou a mesma fonte.

Lisboa: 22 inundações e queda de estruturas

No distrito de Aveiro, onde, na sexta-feira, ocorreram inundações em Águeda e a força das águas e o depósito de materiais destruiu a ponte de Vilarinho, em Cacia, não houve agravamento da situação durante a madrugada de sábado.

Na Régua, o caudal do Rio Douro desceu cerca de um metro abaixo do cais durante a noite, mas a Proteção Civil mantém-se alerta devido à pluviosidade que tem caído e poderá provocar um novo aumento do nível das águas.