O Comando-Geral da GNR ordenou 12 medidas urgentes para contenção de despesa em toda a estrutura da guarda.

O despacho, noticiado pelo «Diário de Notícias», entra em vigor durante este mês e pretende reduzir a despesa de todo o dispositivo em cerca de 26 por cento.

Por exemplo, o despacho impõe cortes a deslocações e acaba com as despesas relativas a ajudas de custo.

A redução da despesa também deve ser feita através de poupança nos custos de telefones, eletricidade e combustíveis.

Segundo fonte da GNR contactada pela TVI, o corte nos combustíveis deve ser aplicado em todas as atividades não operacionais, designadamente, as que decorrem de serviços administrativos, não pondo em causa a atividade operacional.

A mesma fonte recorda que o esforço de contenção é uma inevitabilidade que decorre do corte de cerca de 18 milhões de euros no orçamento da Guarda para este ano.

Em situação idêntica está a Polícia de Segurança Pública. O corte de 17 milhões de euros no orçamento da PSP vai obrigar a medidas semelhantes. A Associação Sindical da Polícia antevê um futuro ainda mais difícil.