Centenas de pessoas manifestaram-se, este sábado, contra o eventual corte de serviços no Hospital de Portimão. Desde que foi criado o Centro Hospitalar do Algarve, que integra as unidades de Portimão e de Faro, que se fala que o Hospital do Barlavento poderá perder algumas valências. No protesto participaram médicos, enfermeiros e auxiliares, mas sobretudo muitos utentes que não escondem o desespero.

Pedro Nunes, presidente do conselho de administração do Centro Hospitalar do Algarve, tem afirmado sempre que se trata apenas de reorganização, mas a possibilidade de alguns serviços e especialidades mudarem para Faro revolta a população do Barlavento.

Funcionários do hospital garantem que na sexta-feira a urgência de ortopedia não esteve a funcionar e que vários doentes oncológicos têm sido transferidos para fazer os tratamentos no Hospital de Faro, que fica a 70 quilómetros de Portimão. Funcionários e utentes garantem que os protestos não vão ficar por aqui.