As duas pessoas detidas pela Polícia Judiciária (PJ) suspeitas da tentativa de homicídio de dois familiares, em Valença, devido a uma herança, vão aguardar o desenrolar do processo em liberdade, segundo decisão judicial.

Os detidos foram presentes nos últimos dois dias a primeiro interrogatório judicial, tendo o tribunal decidido esta quarta-feira a sua libertação, sujeitos a Termo de Identidade e Residência (TIR), a medida de coação menos gravosa, indicou à Lusa fonte judicial.

Os factos remontam a 2012 e os detidos, um homem de 35 anos e uma mulher de 31 anos, terão atuado por «motivos fúteis», relacionados com o «desejo de antecipação de herança familiar», mas também num clima de «persistente conflito quanto ao exercício do poder paternal sobre um menor», informou fonte da PJ, na terça-feira.

A investigação foi conduzida pela Diretoria do Norte da PJ, que identificou e deteve estes dois suspeitos, um casal, pela aquisição de uma arma de fogo ilegal, de calibre 6,35 milímetros, e pela f«abricação de um engenho explosivo improvisado».

Os dois detidos são uma comissionista e um empresário, ambos sem antecedentes criminais, tendo a PJ apreendido armas e explosivos proibidos.

Estão indiciados pela «presumível autoria de duas tentativas de homicídio,» sobre o pai e sobre o ex-companheiro, ambos da mulher suspeita nesta investigação. Com o material apreendido, os dois «pretenderiam realizar os referidos homicídios», indicou anteriormente aquela força policial.