António Francisco dos Santos, bispo de Aveiro, foi hoje nomeado Bispo do Porto pelo Papa Francisco, sucedendo no cargo a Manuel Clemente, que em 2013 assumiu funções como Patriarca de Lisboa, divulgou a agência Ecclesia.

«A notícia foi publicada oficialmente hoje, dia 21 de fevereiro, às 11:00 (12:00 em Roma)», informa a Ecclesia, numa nota de imprensa enviada à Lusa.

António Francisco dos Santos serviu a diocese de Aveiro durante mais de sete anos, acrescenta a agência.

Pio Alves congratula-se com nomeação

O administrador apostólico da Diocese do Porto, Pio Alves, congratulou-se com a nomeação de António Francisco dos Santos, até agora bispo de Aveiro.

«Todos quantos fazem parte desta porção do Povo de Deus estarão, certamente, dispostos a acolher e a colaborar, leal e generosamente, com o novo bispo na edificação do Reino de Deus nesta Igreja Particular, abertos às interrogações da Sociedade», afirma Pio Alves.

A data de entrada solene na diocese, na Catedral do Porto, ainda não foi divulgada.

Apanhado de surpresa

O novo bispo do Porto, António Francisco dos Santos, manifestou-se hoje surpreendido com a sua nomeação, admitindo tratar-se de uma grande missão que irá encarar com «alegria e generosidade».

«Serei irmão e presença junto dos doentes, dos pobres e dos que sofrem e com eles procurarei fazer caminho de bondade e de esperança na busca comum de um mundo melhor. Quero ser apóstolo das Bem-Aventuranças nestes tempos difíceis que vivemos», afirma.

Numa mensagem aos diocesanos, divulgada na página da internet da Diocese do Porto, António Francisco dos Santos, escreve: «Era tão imprevisível este chamamento que Deus agora me faz que não consegui balbuciar palavra, quando a decisão do papa Francisco me foi comunicada».

«(...) Lembrei nesse momento a Palavra de Deus ao Profeta Jeremias: "Irás aonde Eu te enviar". Apesar desta palavra recorrente ao meu espírito e presente no meu coração, muitas as dúvidas e grande o temor com que me defrontei ao ver as minhas limitações e fragilidades, perante a grandeza da missão», refere.

O novo bispo do Porto acrescenta ter-se interrogado «dia e noite» sobre o que pode levar de novo a «uma diocese habitada por tanta gente de bem e de valor e habituada a tão generosos servidores como bispos, presbíteros, diáconos, consagrados e leigos».

À Diocese de Aveiro pede «a compreensão para este meu gesto ao serviço da Igreja, que em nada significa, menos respeito ou menor amor».

«Aveiro sabe como sempre aqui me senti feliz como bispo e como é grande a dor da separação. Todavia, senti que só conseguiria reencontrar a serenidade de coração e a liberdade de espírito, quando com a ajuda de Deus vencesse todos os receios e temores».

O novo bispo do Porto reafirma «a alegria de servir a grande comunidade humana da Diocese do Porto, com os seus eleitos e representantes autárquicos, as autoridades locais, as universidades e escolas, instituições e associações».