Quase metade dos 844 utentes que aguardavam vaga na Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI), no final de 2014, eram provenientes da região de Lisboa e Vale do Tejo.

Dados da monitorização da RNCCI referentes ao ano passado, e disponibilizado no site da Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS), referem que nesse período aguardavam vaga na rede 354 utentes da região de Lisboa e Vale do Tejo e 224 da região do Norte.

Oriundos da região Centro estavam 143 utentes em espera, 105 do Alentejo e 18 do Algarve.

O documento refere que “os lugares de internamento cresceram 7,8 por cento”, existindo no final de 2014 um total de 7.160 camas.

Os lugares em Unidades de Longa Duração e Manutenção (ULDM) representam 77,6 por cento do total de novas camas, representando atualmente esta tipologia 57,2 por cento dos lugares de internamento disponíveis.

De acordo com este relatório, o número de Equipas de Cuidados Continuados Integrados (ECCI) aumentou três por cento em relação a 2013.

No final do ano passado existiam 274 ECCI.

Existiam ainda 26 Equipas Intra-hospitalares de Suporte em Cuidados Paliativos (EIHSCP) e 11 Equipas Comunitárias de Suporte em Cuidados Paliativos (ECSCP).

O documento indica que a população da RNCCI com idade superior a 65 anos representa 83,4% do total..

“A população com idade superior a 80 anos representa 45 por cento do total. Dos utentes com mais de 65 anos, 55% tem mais de 80 anos.”


Na Rede existem mais mulheres do que homens, com 55,6% dos utentes a serem do sexo feminino.

Em 2014, o número de utentes referenciados para a Rede foi de 41.657. Em 2013 tinham sido referenciados 39.896 utentes.