O diretor financeiro da SAD do União de Leiria, Pedro Violante, foi interrogado esta quinta-feira no Tribunal Central de Instrução Criminal no âmbito da `Operação Matrioskas´, que investiga suspeitas de lavagem de dinheiro proveniente de crime organizado da Rússia.

À saída do tribunal, José António Barreiros, advogado de defesa de Pedro Violante, precisou que o seu constituinte "já foi ouvido", seguindo-se o interrogatório de outros arguidos do processo.

Além de Pedro Violante, o presidente da SAD da União de Leiria, Alexander Tolstikov, e um assessor deste empresário russo foram detidos na terça-feira pela Polícia Judiciária.

Questionado sobre se espera que Pedro Violante venha a permanecer em prisão preventiva no final do interrogatório judicial, José António Barreiros respondeu: "Espero que não".

Dutante a manhã de hoje efetuou-se a identificação dos arguidos, tendo as inquirições começado já durante o período da tarde.

Os interrogatórios devem prosseguir na sexta-feira, altura em que deverão ser conhecidas as medidas de coação.

As detenções, na noite de terça-feira, ocorreram no âmbito da ‘Operação Matrioskas’, que conta com mais três arguidos: a SAD e o clube da União de Leiria e um advogado com escritório em Lisboa.

Os três suspeitos foram detidos horas depois de as autoridades terem realizado buscas às SAD (Sociedades Anónimas Desportivas) da União Desportiva de Leiria, do Sporting e do Benfica e no estádio do Sporting de Braga.

Em causa estão suspeitas da prática de factos suscetíveis de integrarem os crimes de fraude fiscal, associação criminosa, branqueamento de capitais, corrupção e falsificação de documentos.