A Administração Regional de Saúde (ARS) do Algarve assegurou hoje que o Serviço de Urgência Básica (SUB) de Loulé está a funcionar «normalmente» e conta com «o número de profissionais adequado e necessário».

Em comunicado, o conselho diretivo da Administração Regional de Saúde do Algarve assegura que o atendimento nos Serviços de Urgência Básica da região, nomeadamente, em Loulé, «se encontra a funcionar normalmente, com o número de profissionais adequados e necessários para garantir a prestação de cuidados de saúde de forma efetiva e ininterrupta nestas unidades».

A posição da ARS do Algarve surge depois de sindicatos, partidos políticos e utentes terem alertado para a falta de profissionais em determinados turnos no SUB de Loulé, situação que seria causada por um diferendo entre a ARS e o Centro Hospitalar do Algarve sobre quem tem a tutela e a responsabilidade de contratar profissionais para prestarem serviço nos Serviços de Urgência Básica.

A ARS Algarve refere que compreende a preocupação da população mas reforça que ¿adotou todas as medidas necessárias para fazer face a eventuais carências de recursos humanos, e garante que não existe qualquer motivo para apreensão por parte da população do concelho de Loulé¿.

A ARS fez este anúncio hoje, quando decorria um protesto convocado pelo Movimento de Cidadãos em Defesa dos Serviços Públicos de Saúde de Loulé, para mostrar indignação com a deterioração dos serviços públicos nas urgências e no centro de saúde da cidade e reivindicar a garantia de que o SUB de Loulé não vai encerrar e se mantém em funcionamento a 100%.

O protesto, que consistiu numa marcha e cordão humano entre a Câmara Municipal de Loulé e o Centro de Saúde da cidade, teve início às 18:30.