O edifício da sede do Automóvel Clube de Portugal (ACP), em Lisboa, foi hoje evacuado por «haver risco de ruir» a parte do imóvel contígua a um prédio em obras, disse à agência Lusa o presidente desta entidade.

Segundo Carlos Barbosa, «de sábado para hoje as rachas no edifício [do ACP, situado na Rua Rosa Araújo] aumentaram de tal maneira que cabe uma mão dentro», tendo «cedido esta noite a empena colada ao prédio» em obras, que pertence à Espírito Santo Property.

«Havia risco de ruir o prédio desse lado», tendo por isso o ACP optado por evacuar a sede, «por prevenção».

Segundo Carlos Barbosa, durante o dia de hoje será feita uma vistoria ao edifício pela Unidade de Intervenção Territorial (UIT) da Câmara Municipal de Lisboa.

O presidente da Junta de Freguesia de Santo António, Vasco Morgado, disse à agência Lusa que esta evacuação foi uma «medida preventiva».

Segundo o autarca social-democrata, o edifício, situado numa rua perpendicular à Avenida da Liberdade, estava cheio, com cerca de 200 pessoas que ali trabalham.

No local estavam, pelas 15:30, elementos do Regimento de Sapadores Bombeiros (RSB), Proteção Civil e UIT.

O vereador da Segurança no município, Carlos Castro, afirmou à Lusa que «os funcionários receberam indicações para abandonar o edifício», adiantando que «foram acionados os meios» necessários.

De acordo com Carlos Castro, a autarquia também está a aguardar a avaliação dos técnicos.

Fonte policial afirmou à Lusa que o edifício foi evacuado por suspeitas de danos estruturais, acrescentando que a operação de retirada das pessoas foi coordenada pelos bombeiros com o apoio da PSP.

No edifício onde decorrem as obras ocorreu a 01 de agosto um deslizamento de terras que provocou um ferido e um morto.

Na ocasião, o comandante do Regimento de Sapadores Bombeiros de Lisboa (RSB), Tiago Lopes, disse aos jornalistas que os dois trabalhadores estavam a fazer escavações numa obra privada, tendo ocorrido um deslizamento de terras e ficado soterrados.