Quatro meios aéreos e 143 bombeiros combatem hoje dois incêndios no concelho de Chaves onde, desde sexta-feira, já arderam mais hectares do que em todo o ano passado, disse fonte da autarquia.

No concelho do Alto Tâmega estão ativos dois fogos, Santo António de Monforte e Calvão, os quais deflagraram respetivamente às 20:58 e às 22:25 de sexta-feira.

De acordo com a página da internet da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), para o combate às chamas estão mobilizados dois aviões e dois helicópteros, 143 efetivos e 41 viaturas.

No entanto, durante o dia de sexta-feira, outros fogos atingiram este concelho.

O presidente da Câmara de Chaves, João Batista, disse à agência Lusa que, nestas pouco mais de 24 horas, já arderam mais hectares do que em todo o ano passado.

«Já ardeu uma grande extensão. Só a área ardida nestes incêndios é maior do que a que ardeu no ano passado, durante todo o ano», frisou.

João Batista disse ainda que considera que terá de ser investigado o «número de ocorrências que deflagraram quase ao mesmo tempo, a hora e o espaço temporal em que ocorreram».

No início dos fogos havia, segundo o presidente, poucos meios disponíveis, devido ao elevado número de incêndios que se registaram um pouco por todo o distrito de Vila Real.

O autarca referiu que os esforços foram concentrados junto às aldeias de Soutelo, Sanjurge, Valdanta e Aboboleira, onde as chamas «colocaram bastantes habitações em perigo».

«Quem evitou que houvesse qualquer tipo de prejuízo nas habitações foi claramente a população, que se mobilizou e esteve a pé a noite toda», salientou.

O vento foi «claramente», segundo o autarca, a maior dificuldade que se teve de enfrentar no combate às chamas.

Os fogos queimaram alguns quintais e jardins, anexos e uma casa florestal que estava inativa.

A Autoestrada 24 (A24) chegou a estar cortada durante algumas horas e, num outro incêndio, em Casas Novas, foram os militares da GNR que pegaram em giestas e travaram a progressão das chamas na Estrada Nacional 103 (EN103).

Os meios no terreno foram reforçados durante a madrugada. João Batista disse que a Proteção Civil Municipal enviou também esta manhã para o terreno máquinas pesadas, para ajudar a travar as chamas.

O autarca espera que, com os meios agora presentes no terreno, seja «possível controlar o fogo».

Depois, quando a situação acalmar, a Proteção Civil fará o levantamento dos prejuízos.

No distrito de Vila Real, segundo a ANPC, há ainda um outro incêndio ativo desde as 16:00 de sexta-feira, em Torneiros/Beça, concelho de Boticas, que mobiliza 100 efetivos, 30 veículos e dois meios aéreos.

O grande incêndio que afetou o distrito na sexta-feira, o de Soutelinho do Mezio que começou em Vila Pouca de Aguiar e se alastrou ao concelho de Vila Real, queimando alguns anexos, palheiros e até animais, foi dominado cerca das 04:00.