Os Sapadores Bombeiros de Lisboa cumprem na quinta-feira uma greve de 24 horas para protestar contra o «constante desinvestimento» naquele regimento, segundo um comunicado do Sindicato dos Trabalhadores do Município de Lisboa (STML).

«Os Sapadores Bombeiros de Lisboa estão indignados com a inércia a que os executivos camarários, liderados pelo dr. António Costa há já uma dezena de anos, têm votado o Regimento», lê-se no comunicado.

Os bombeiros contestam o «número de operacionais insuficientes», o «estado lamentável» dos equipamentos de proteção individual, a inexistência de fardamento, o número reduzido de viaturas de socorro e quartéis a precisar de obras, entre outros.

Mesmo a intenção da Câmara de Lisboa de abrir concurso para 50 novos sapadores bombeiros não demoveu a greve.

«Esses 50 só estão operacionais daqui a dois anos. Não resolvem os problemas. E esta nossa reivindicação já tem anos», disse à Lusa Vitor Reis do STML.

A greve vai ocorrer no dia dos Casamentos do Santo António e das Marchas Populares, com os bombeiros a assegurarem que só vão efetuar os serviços mínimos.

«Se houver um incêndio ou um acidente grave, eles vão. Mas arrombar portas, resgatar animais ou acudir a pequenas inundações domésticas, não», indicou o sindicalista.