logotipo tvi24

Tratamento «revolucionário» para cancro do estômago

Permite aumento de sobrevivência de alguns doentes com tumor gástrico avançado

Por: Redacção / VG    |   2010-04-08 16:12

Um novo tratamento contra o cancro do estômago permite aumentar a esperança média de vida de doentes com tumor gástrico avançado, revelou um especialista esta quinta-feira, considerando o medicamento «revolucionário».

O secretário-geral do Grupo Português de Investigação do Cancro Digestivo (GPICD), Sérgio Barroso, afirmou à Lusa que, apesar de ainda não ser possível a cura do cancro gástrico avançado, trata-se de «um passo importante no seu tratamento».

«Este grupo de doentes é difícil de tratar com uma doença avançada e, com este novo tratamento, vamos melhorar a sobrevivência dos doentes e a sua qualidade de vida», considerou.

A nova abordagem terapêutica, já aprovada na Europa, mas que ainda aguarda «luz verde» em Portugal, permite «aumentar significativamente a sobrevivência» de 20 por cento dos doentes com tumor gástrico avançado.

«Em média, o doente com cancro gástrico avançado vive à volta de 11 meses e, com este tratamento, passa a viver cerca de 16 meses. Temos um aumento de mais de quatro meses para este grupo de doentes», referiu o especialista.

O estudo vai ser apresentado e discutido, na sexta-feira, nos «Encontros da Primavera - Oncologia 2010», iniciativa que reúne cerca de 500 especialistas nacionais e internacionais, que vão debater as últimas evoluções da área oncológica, ao nível científico e pedagógico.

Sérgio Barroso, organizador do encontro, apontou como «revolucionário» este novo tratamento para o cancro do estômago, que é a segunda causa de morte mais comum a nível global e a terceira em Portugal.

A abordagem terapêutica consiste na administração de um conjunto de medicamentos, em associação com a quimioterapia, que «vão inibir e destruir as células do tumor gástrico, traduzindo-se numa maior controlo da doença», explicou.

No entanto, «só é eficaz» em cerca de 20 por cento dos doentes com cancro no estômago, pois «o medicamento liga-se a um sítio específico das células do tumor que só um quinto desses doentes tem».

Partilhar
EM BAIXO: cancro
cancro

Detido homem que tentou provocar explosão
Homem acionou aparelhos de gás em casa de duas mulheres, em Guimarães, por vingança
Bombeiro suspeito de atear fogo fica em domiciliária
Empresário da construção civil e bombeiro voluntário é suspeito de ter ateado fogo em Capeludos, em Vila Pouca de Aguiar
SOJ interpõe providência cautelar para parar movimentação de funcionários judiciais
Sindicato dos Oficiais de Justiça afirma que, em causa, está a «inconstitucionalidade» de duas portarias do novo mapa judiciário
EM MANCHETE
Ucrânia: NATO acusa Rússia de «violação flagrante»
Governo de Kiev pede ajuda internacional e pondera adesão à Aliança Atlântica
«Ronaldo não tem condições para competir»
Desemprego recua para 14%