Tratamento «revolucionário» para cancro do estômago

Permite aumento de sobrevivência de alguns doentes com tumor gástrico avançado

Por: Redação / VG    |   8 de Abril de 2010 às 16:12
Um novo tratamento contra o cancro do estômago permite aumentar a esperança média de vida de doentes com tumor gástrico avançado, revelou um especialista esta quinta-feira, considerando o medicamento «revolucionário».

O secretário-geral do Grupo Português de Investigação do Cancro Digestivo (GPICD), Sérgio Barroso, afirmou à Lusa que, apesar de ainda não ser possível a cura do cancro gástrico avançado, trata-se de «um passo importante no seu tratamento».

«Este grupo de doentes é difícil de tratar com uma doença avançada e, com este novo tratamento, vamos melhorar a sobrevivência dos doentes e a sua qualidade de vida», considerou.

A nova abordagem terapêutica, já aprovada na Europa, mas que ainda aguarda «luz verde» em Portugal, permite «aumentar significativamente a sobrevivência» de 20 por cento dos doentes com tumor gástrico avançado.

«Em média, o doente com cancro gástrico avançado vive à volta de 11 meses e, com este tratamento, passa a viver cerca de 16 meses. Temos um aumento de mais de quatro meses para este grupo de doentes», referiu o especialista.

O estudo vai ser apresentado e discutido, na sexta-feira, nos «Encontros da Primavera - Oncologia 2010», iniciativa que reúne cerca de 500 especialistas nacionais e internacionais, que vão debater as últimas evoluções da área oncológica, ao nível científico e pedagógico.

Sérgio Barroso, organizador do encontro, apontou como «revolucionário» este novo tratamento para o cancro do estômago, que é a segunda causa de morte mais comum a nível global e a terceira em Portugal.

A abordagem terapêutica consiste na administração de um conjunto de medicamentos, em associação com a quimioterapia, que «vão inibir e destruir as células do tumor gástrico, traduzindo-se numa maior controlo da doença», explicou.

No entanto, «só é eficaz» em cerca de 20 por cento dos doentes com cancro no estômago, pois «o medicamento liga-se a um sítio específico das células do tumor que só um quinto desses doentes tem».
Partilhar
EM BAIXO: cancro
cancro
COMENTÁRIOS

PUB
Défice da Segurança Social já é duas vezes maior do que devia

Só até agosto, saldo negativo foi de 829 milhões de euros. Meta para todo o ano de 2014 era de 495 milhões. Relatório da UTAO indica, também, que pensionistas já deram 455 milhões ao Estado com contribuição extraordinária de solidariedade. Unidade técnica de apoio ao Parlamento critica, ainda, uso dos impostos para pagar despesa pública que não estava prevista