A vacina contra a tuberculose, em falta desde março, deverá chegar a Portugal “a qualquer momento”, uma vez que o Infarmed já autorizou os lotes para as crianças que ainda não foram vacinadas e para as que entretanto nasçam.

De acordo com a sub-diretora geral da Saúde Graça Freitas, deverão entrar em Portugal “a qualquer momento” as vacinas que já foram devidamente autorizadas pelo regulador do setor (Infarmed), o que deverá permitir a retoma da vacinação da BCG.

Graça Freitas garantiu que os lotes que chegarão a Portugal “nos próximos dias” serão “suficientes” para vacinar as crianças que nasceram e não receberam na altura a BCG, mas também, e prioritariamente, as que nasçam entretanto.

Devido a estes problemas no abastecimento da BCG, as autoridades estão ainda a estudar uma alternativa ao laboratório Dinamarquês que atualmente fornece a vacina, a qual deverá ser uma empresa japonesa.

Paralelamente a estas negociações, continua em estudo a possibilidade da vacina BCG ser administrada apenas a grupos de risco e não a todas as crianças, como até agora tem sido.

As dificuldades de fornecimento da BCG começaram em março e estão ligadas a problemas com a produção no único laboratório que fabrica a vacina para a Europa, um laboratório público na Dinamarca.

A única vacina BCG que está autorizada em Portugal, e na maioria dos países europeus, é produzida por um laboratório público da Dinamarca, mas, nos últimos anos, o fornecimento da vacina tem sofrido interrupções de duração variável.

Esta vacina tem um prazo de validade mais curto do que as outras vacinas do Programa Nacional de Vacinação, não permitindo armazenamentos de longo prazo.