“Vê se ganha juízo para quando voltar à sua vida em liberdade não repetir o que já fez!”, foram palavras do juiz do tribunal de São João Novo, no Porto, ao sentenciar um homem a uma pena de três anos e quatro meses de prisão efetiva por insultar e agredir a namorada.

Durante a leitura da decisão judicial, o presidente do coletivo de juízes explicou que a pena é efetiva porque o arguido “não dá garantias” de que não vá voltar a cometer os mesmos crimes.

Condenado por um crime de violência doméstica e injúrias, o homem ficou ainda proibido de contactar e de se aproximar da vítima.

Segundo a acusação, o homem, com cerca de 30 anos, agrediu por várias vezes a namorada, tendo-lhe na última agressão causado ferimentos graves, levando à sua hospitalização.

O juiz aconselhou o arguido, já em prisão preventiva, a fazer uma desintoxicação de álcool e de drogas na cadeia, assim como a pedir aconselhamento psicológico para aprender a lidar com as suas emoções.