Fundador e administrador da multinacional Salsa, marca de pronto-a-vestir, Filipe Vila Nova, começou a ser julgado à porta fechada, no Tribunal de Santo Tirso. É acusado de violência doméstica sobre a ex-mulher, em parte relacionada com divergências sobre despedimentos na empresa.

Na audiência de julgamento o arguido não quis falar, segundo contou aos jornalistas, o advogado de acusação, Dantas Rodrigues.

Hoje é necessário dar grande atenção a estes crimes porque eles não existem só em pessoas de parcos recursos económicos, mas também nas elites. E aí as pessoas têm mais vergonha de denunciar", sentenciou o advogado da ex-mulher do dono da Salsa, citado pela Agência LUSA.

Ameaça de morte

A acusação do Ministério Público, imputava ao arguido, de 53 anos, ter ameaçado matar a mulher caso não cumprisse as suas ordens, relativamente ao despedimento de dois funcionários da empresa.

O casal divorciou-se em março de 2010. Ainda assim, o Ministério Público relatou que, entre dezembro de 2009 e outubro de 2015, o suspeito enviou várias "mensagens ofensivas" à mulher.

O arguido sujeitou a ofendida a tratamentos cruéis e desumanos, causando-lhe danos psicológicos, ofendendo a sua liberdade e segurança", salientou o advogado Dantas Rodrigues, segundo o qual a ex-mulher não pede qualquer indemnização, mas apenas "justiça".

Após a audiência, o advogado de Filipe Vila Nova recusou prestar declarações.