Um homem acusado de encomendar a morte dos pais, em 2016, em Vila do Conde, confessou esta terça-feira os factos no Tribunal de Matosinhos, onde começou a ser julgado, assumindo não ter tido motivo válido e querer “pagar” pelo crime.

Não há nenhum motivo válido, perdi o discernimento, agora sinto-me culpado, revoltado e envergonhado e, por isso, quero ser condenado”, disse o arguido, perante o tribunal de júri, constituído por um coletivo de juízes e quatro jurados.

Além disso, o suspeito de 48 anos, em prisão preventiva, referiu que quer renunciar à herança e “quer muito” voltar a falar com os pais, com quem não tem contacto desde que foi detido, para “pedir desculpa”.

Pagou para lhe matarem os pais

Segundo a acusação, a que a agência Lusa teve acesso, o homem encomendou a morte dos pais, em novembro de 2016, com o objetivo de ficar com a herança, tendo entregado a outro suspeito (igualmente preso), como adiantamento, um cheque e dinheiro que este transferiu para a namorada, e cúmplice, também arguida no processo.

A morte das vítimas apenas não se concretizou por mero acaso, alheio à vontade dos suspeitos”, acrescenta a acusação.

Os crimes “foram de uma inusitada e despropositada violência, condizente com os objetivos previamente traçados”, que visavam matar as vítimas e “realizar um roubo para dissimulação dos homicídios”, refere-se.

Discussões e conflitos

Durante o seu depoimento, que durou toda a manhã, o suspeito referiu que os pais não aceitavam o seu atual relacionamento amoroso, não concordavam com a venda que ele fez de um armazém e que tinham tido, há pouco tempo, desentendimentos com o seu filho. A soma destas situações, relatou, “saturaram-no” ao ponto de encomendar a morte dos pais.

Estes desentendimentos levaram-nos a tirar-me tudo, proibiram-me de ir lá a casa e ver a minha avó, que vivia com eles”, ressalvou o arguido.

Contrariando a acusação, o arguido garantiu que o crime nada teve a ver com a herança que era “pequena”, mas com “más opções de vida” que foi tendo e que geravam discussões e conflitos com os progenitores.

Por isso, confirmou, encomendou a morte a um amigo do filho, não tendo traçado qualquer tipo de plano. Pediu-lhe apenas que fosse “rápido e sem grande sofrimento”, entregando-lhe para isso as chaves de casa e explicando-lhe as rotinas dos pais.

Referindo que o “serviço” seria feito a troco de dinheiro, o suspeito frisou não ter pedido ao executante que simulasse nenhum assalto ou trouxesse objetos em ouro, mas que os matasse apenas.

Agrediu casal com coronhadas

O alegado executante do crime, de 23 anos, ouvido durante toda a tarde, revelou que nunca teve intenção de matar ninguém, mas apenas de extorquir dinheiro.

Ele pediu-me para matar os pais com um tiro e para tirar o fio de ouro que o pai trazia ao pescoço e trazer um cofre que continha relógios”, garantiu.

O suspeito diz ter assaltado a casa para “convencer” o outro arguido e que, a arma que levou, serviu apenas para assustar, tendo agredido o casal com coronhadas porque foi agredidido.

O arguido contou ainda que depositou o dinheiro que recebeu na conta da namorada para não levantar suspeitas, tendo-lhe contado o sucedido apenas após ter cometido o crime.