Avarias em navios da Transtejo, que operam nas ligações fluviais entre Montijo e Lisboa e Seixal e Lisboa, causaram perturbações nas carreiras entre as duas margens do Tejo e originaram protestos dos utentes.

Durante a hora de ponta da manhã, atendendo a avarias inesperadas em dois navios da frota da Transtejo, que operam nas ligações Seixal-Lisboa e Montijo-Lisboa, só operou um navio em cada uma das ligações, o que originou as supressões ocorridas", assumiu em comunicado a Transtejo.

De acordo com a empresa, apesar de este ano "já terem sido intervencionados mais navios até setembro do que nos últimos anos", não há navios suficientes em reserva para "fazer face a todas as situações inesperadas".

Um barco já reparado

A Transtejo refere em comunicado já ter conseguido corrigir entretanto uma das situações.

A ligação do Montijo já se encontra regularizada. Também em relação à ligação do Seixal, a Transtejo está a desenvolver os procedimentos necessários para reparar a segunda embarcação com a maior brevidade possível, prevendo-se que a regularidade desta ligação seja reposta ao início da tarde de amanhã [terça-feira]", salienta a empresa.

No Montijo, as supressões durante a manhã de segunda-feira levaram a empresa a solicitar a presença da Polícia Marítima no local, depois de alguns passageiros terem forçado a entrada no navio e ultrapassado a sua lotação.

Um conjunto de passageiros indignados forçou a entrada no navio, que ultrapassou a sua lotação, e foi chamada a Polícia Marítima. No entanto, as pessoas, ainda antes da chegada da polícia, acataram a informação dada pela mestre e saíram do navio", disse fonte da empresa à agência Lusa, lamentando os inconvenientes causados aos utentes.