logotipo tvi24

Tráfico Humano: Portugal é país de origem e destino

Debilidades da identificação e condenação dos casos em análise

Por: Redacção / CP    |   2009-02-12 13:45

Portugal não utiliza todos os instrumentos que tem à disposição para combater o tráfico de seres humanos, existindo muitas «cifras negras» num país que é simultaneamente de destino e de origem das vítimas, segundo o director da PJ, diz a Lusa.

«Decorridos mais de cinco anos da convenção de Palermo [Convenção das Nações Unidas contra o Crime Organizado Transnacional], não temos feito uso adequado dos instrumentos à disposição. Ainda não conseguimos dar o salto para a frente tal como já fizemos com os infiltrados no tráfico de droga e moeda falsa», afirmou Almeida Rodrigues, na cerimónia de abertura do Congresso Nacional sobre Tráfico de Seres Humanos, que decorre esta quinta e sexta-feira em Loures.

Para o responsável da judiciária, «ainda há muitas cifras negras em Portugal», sendo «imperioso passar das palavras às acções», caso contrário, «vamos continuar a assistir aos novos negreiros a viver com sinais exteriores de riqueza à custa da liberdade e da vida das suas vítimas».

Almeida Rodrigues revelou que, nos últimos cinco anos, foram instaurados na PJ 129 processos relacionados com tráfico de seres humanos, o que considerou «manifestamente pouco», por vezes por falta de uma «atitude proactiva para a denúncia».

«Quadro legal duro para traficantes»

O secretário de estado adjunto e da Administração Interna, por seu turno, considerou que o tráfico de seres humanos é «a escravatura moderna, absolutamente inconcebível e perigosamente activo».

Segundo José Magalhães, Portugal tem actualmente um «quadro legal duro para traficantes», mas lembrou que «neutralizar as redes de tráfico só é possível com um trabalho também em rede de forma transnacional».

Em 2008, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras tinha sinalizado 148 casos de tráfico, tendo concluído 21 investigações, das quais resultaram 22 detidos e 11 atribuições de títulos provisórios de residência para vítimas.

Partilhar
EM BAIXO: Tráfico Humano
Tráfico Humano

25 de Abril, 40 anos depois centenas voltam à rua
Manifestação convocada nas redes sociais
Portugal, o melhor país do mundo para visitar (outra vez)
Leitores da conceituada revista Condé Nast Traveler escolheram Portugual pelo segundo ano consecutivo
Huffington Post com blogue dedicado aos 40 anos de democracia em Portugal
Escrito pelo académico português André Corrêa d`Almeida
EM MANCHETE
25 de Abril: há 40 anos foi assim
O «dia inteiro e limpo» em sons e imagens: veja aqui a cronologia das primeiras horas da revolução
Fenprof leva vinculação docente ao Constitucional
Miró: Ministério Público trava saída de quadros