Tráfico Humano: Portugal é país de origem e destino

Debilidades da identificação e condenação dos casos em análise

Por: Redação / CP    |   12 de Fevereiro de 2009 às 13:45
Portugal não utiliza todos os instrumentos que tem à disposição para combater o tráfico de seres humanos, existindo muitas «cifras negras» num país que é simultaneamente de destino e de origem das vítimas, segundo o director da PJ, diz a Lusa.

«Decorridos mais de cinco anos da convenção de Palermo [Convenção das Nações Unidas contra o Crime Organizado Transnacional], não temos feito uso adequado dos instrumentos à disposição. Ainda não conseguimos dar o salto para a frente tal como já fizemos com os infiltrados no tráfico de droga e moeda falsa», afirmou Almeida Rodrigues, na cerimónia de abertura do Congresso Nacional sobre Tráfico de Seres Humanos, que decorre esta quinta e sexta-feira em Loures.

Para o responsável da judiciária, «ainda há muitas cifras negras em Portugal», sendo «imperioso passar das palavras às acções», caso contrário, «vamos continuar a assistir aos novos negreiros a viver com sinais exteriores de riqueza à custa da liberdade e da vida das suas vítimas».

Almeida Rodrigues revelou que, nos últimos cinco anos, foram instaurados na PJ 129 processos relacionados com tráfico de seres humanos, o que considerou «manifestamente pouco», por vezes por falta de uma «atitude proactiva para a denúncia».

«Quadro legal duro para traficantes»



O secretário de estado adjunto e da Administração Interna, por seu turno, considerou que o tráfico de seres humanos é «a escravatura moderna, absolutamente inconcebível e perigosamente activo».

Segundo José Magalhães, Portugal tem actualmente um «quadro legal duro para traficantes», mas lembrou que «neutralizar as redes de tráfico só é possível com um trabalho também em rede de forma transnacional».

Em 2008, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras tinha sinalizado 148 casos de tráfico, tendo concluído 21 investigações, das quais resultaram 22 detidos e 11 atribuições de títulos provisórios de residência para vítimas.
PUB
Partilhar
EM BAIXO: Tráfico Humano
Tráfico Humano

COMENTÁRIOS

PUB
BES: «Não encostei uma pistola à cabeça de ninguém»

«Fala-se do buraco, do buraco, do buraco no meu mandato... Apresentem-me números». Ano e meio depois de sair, ex-presidente do BESA diz que a carteira de crédito cresceu ainda mais, com outros a liderar o banco. Quanto à garantia do Estado angolano, afirma que caiu por culpa do Banco de Portugal. Já sobre os créditos em si, assume a responsabilidade por tê-los pedido, mas quem autorizou foi o BES: «Não encostei uma pistola à cabeça de ninguém». Há alguma contradição nas suas explicações sobre onde é que, afinal, pára o dinheiro dos polémicos créditos que desapareceram