O Movimento a Favor da Festa dos Toiros na Póvoa de Varzim contestou hoje a decisão da câmara municipal local em proibir a realização de espetáculos tauromáquicos na cidade, questionando as motivações para tal.

O grupo de cidadãos, que diz reunir "aficionados e amigos, da tauromaquia, poveiros e não só", considerou que a decisão da câmara foi tomada "à pressa, sem discussão pública, sem qualquer séria fundamentação social, sem respeito pela memória, tradição e história da Póvoa".

Abstemo-nos de qualificar politicamente a medida, mas convirá por certo lembrar que este nunca foi tema que mereceu qualquer menção, quer no programa, que nas promessas verbais, apresentadas aos poveiros pelo partido vencedor, na recente campanha eleitoral autárquica", divulgou o movimento através de um comunicado.

O grupo de cidadãos disse ter confiado "em declarações públicas dos responsáveis autárquicos da cidade, que em outubro passado diziam que as obras a realizar na Praça de Touros, em nada afetariam a continuação de futuras corridas de touros".

Por isso, o movimento diz que "continuará, com serenidade, mas com firmeza, a acompanhar o evoluir da concretização da situação, tanto mais agora que até no parlamento, por expressiva maioria dos deputados, se votou a favor da tradição e respeito pelas as fortes raízes nos usos e costumes dos portugueses, onde os poveiros, com orgulho, se incluem".

Nesse âmbito, este grupo de aficionados pela tauromaquia prometeu estar presente na próxima Assembleia Municipal da Póvoa de Varzim, esta quinta-feira, onde a câmara levará a votação uma "proposta de interdição da realização, na área do Município da Póvoa de Varzim, de corridas de touros ou outros espetáculos que envolvam violência sobre animais".

A 20 de junho, a Câmara da Póvoa de Varzim declarou o concelho "antitouradas", pelo que a partir de janeiro de 2019 serão proibidas corridas de touros ou outros espetáculos "que envolvam violência sobre animais"

Em nota publicada na sua página oficial, o município sublinha que aquela decisão foi aprovada por unanimidade.

O presidente da câmara, Aires Pereira, já tinha anunciado que a Praça de Touros da cidade vai ser transformada em multiusos e deixará de receber touradas, logo depois de realizadas as duas agendadas para este verão.

O concelho foi declarado "antitouradas", num "corte inevitável com uma tradição que, tendo feito o seu caminho e prosseguido o seu objetivo, não tem, nos nossos dias, razão de ser".

A nota divulgada sublinha que esta medida vem na sequência de outras já tomadas anteriormente em nome da defesa e do bem-estar dos animais.