A Polícia Judiciária (PJ) deteve um funcionário português suspeito por vender segredos de Estado a um agente do SVR (ex-KGB), anunciou aquela força de segurança em comunicado. 

Através da Unidade Nacional Contra Terrorismo, a PJ desencadeou "uma complexa e sensível operação, que decorreu desde o final da passada semana e findou ontem, na sequência da qual foi possível esclarecer fatos referentes à prática dos crimes de espionagem, corrupção e violação de segredo de Estado".

A investigação iniciou-se na sequência de procedimentos de segurança levados a cabo pela Direção do Serviço de Informações de Segurança (SIS), "tendo o Secretário-Geral de Informações da Republica Portuguesa (SIRP) participado fatos ao Ministério Público que apontavam para a existência de suspeitas da prática de um crime de espionagem, por parte de um funcionário, a favor de um serviço de informações estrangeiro".

Na sequência desta investigação e em colaboração com as autoridades italianas, o espião português e o agente do SVR (ex-KGB) foram detidos em Roma, pela presumível prática dos crimes de espionagem, corrupção e violação de segredo de Estado.

"Na execução desta operação a Polícia Judiciária fez deslocar funcionários a Itália e contou com a excelente colaboração da Policia de Stato, de Itália - Divisione Investigazioni Generali e Operazioni Special (DIGOS), Interpol Roma, bem como do Eurojust".

Os dois detidos, "a quem foram apreendidos elementos com relevante valor probatório", foram presentes à autoridades judiciárias italianas competentes e vão aguardar a extradição em prisão preventiva.