«Somos quase 50 nestas condições. Fomos colocados em setembro, destacados no início do outubro. Mas ainda não nos disseram quando é que podemos partir», disse à Lusa uma das professoras, contratada na zona centro de Portugal e que pediu para não ser identificada.