O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) colocou, na noite de sexta-feira, todo o território nacional sob aviso amarelo, à exceção do distrito de Aveiro e do arquipélago dos Açores, devido ao tempo quente previsto até segunda-feira.

De acordo com o IPMA, sob aviso amarelo, devido à persistência dos valores elevados da temperatura máxima até às 17:59 de segunda-feira, estão os distritos de Braga, Bragança, Vila Real, Viseu, Guarda e o arquipélago da Madeira.

Os restantes distritos foram colocados em aviso amarelo desde as 23:00 de sexta-feira até às 20:59 de domingo.

O aviso amarelo determinado pelo IPMA é o segundo menos grave de uma escala de quatro e pressupõe uma situação de risco para determinadas atividades dependentes da situação meteorológica.

A meteorologista Cristina Simões adiantou na quinta-feira em declarações à agência Lusa a situação será muito semelhante à registada no início do mês de julho, altura em que uma onda de calor afetou o país.

Cristina Simões explicou que esta subida das temperaturas deve-se a um anticiclone que está sobre o território do continente com uma corrente de leste, uma massa de ar mais quente.

De acordo com a meteorologista do IPMA, o dia mais quente será este sábado, sendo que, no domingo, já se prevê uma ligeira descida da temperatura.

A meteorologista Cristina Simões adiantou ainda que, nas regiões do interior, as temperaturas máximas vão chegar aos 40 graus, principalmente no Alentejo.

O tempo quente já levou a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) a emitir um aviso à população devido à subida de temperatura nos próximos dias e determinou o alerta amarelo para as operações de socorro e combate a incêndios em todo o país.

Em comunicado, a ANPC adianta que o tempo quente e seco, previsto até ao dia 12 de agosto facilita a ocorrência de incêndios florestais e afetar os grupos populacionais mais vulneráveis.

Por isso, a ANPC salienta que nas regiões em que o risco de incêndio é elevado não são permitidas queimadas nem fogueiras, lançamentos de balões com mecha acesa ou foguetes, fumar ou fazer lume em espaços florestais e vias que os circundem, fumigação ou desinfestação em apiários com fumigadores que não estejam equipados com dispositivos de retenção de faúlhas.

Para os grupos populacionais mais vulneráveis, é recomendado que se beba água com regularidade ou sumos de fruta natural sem adição de açúcar, que se evite álcool e exposição ao sol nas horas de maior calor (aproximadamente entre as 11:00 e as 16:00), período em que se devem evitar também viagens e atividades que exijam muito esforço físico.