O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) informou neste domingo que a presença de poeiras do deserto do Saara nos Açores, registada no sábado, deverá manter-se, em princípio, até quinta-feira.

“Não é uma situação muito comum, mas já ocorreu no passado e afetará todo o arquipélago, mas principalmente as ilhas dos grupos central e oriental”, disse à agência Lusa a meteorologista Vanda Costa, da delegação regional dos Açores do IPMA.

De acordo com a página do Facebook da delegação, no sábado o céu dos Açores apresentou-se “geralmente nublado por nuvens médias e altas”, sendo que “o azul do céu apresentava também um tom mais pálido do que o habitual, quase esbranquiçado”.

“Este efeito resulta da presença de partículas em suspensão na atmosfera”, adianta o IPMA, referindo que “os resultados das observações da espessura ótica dos aerossóis efetuadas” nesse dia na estação ARM (Atmospheric Radiation Measurement), na ilha Graciosa, “mostram um aumento significativo relativamente aos últimos dias”.

O IPMA adianta que este aumento deve-se “ao transporte de poeiras com origem no deserto do Saara através do ramo sul do anticiclone dos Açores, cujo centro se tem localizado a nordeste o arquipélago”.

Segundo o IPMA, “nos próximos dias não se prevê precipitação significativa”, mas “a eventual precipitação orográfica que venha a ocorrer deverá depositar alguma poeira que poderá ser visível a olho nu”.

Vanda Costa esclareceu que, “dado que os níveis de concentração de poeiras não são muito elevados”, não deverá afetar a saúde pública.

“De acordo com as previsões do IPMA, baseadas no modelo do Centro Europeu de Meteorologia, esta situação mantém-se, em princípio, até quinta-feira”, acrescentou a meteorologista.

O grupo central do arquipélago dos Açores é formado pelas ilhas do Faial, Graciosa, Terceira, Pico e São Jorge. São Miguel e Santa Maria integram o grupo ocidental.