Os grupos central e oriental dos Açores estão esta quinta-feira sob aviso laranja, o segundo mais grave de uma escala de quatro, devido à previsão de chuva, vento forte e agitação marítima, informou o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), passando a aviso vermelho, o mais grave, na sexta-feira. 

O IPMA anunciou que as previsões meteorológicas indicam que o ciclone tropical 'Alex' vai atingir os Açores na madrugada e manhã de sexta-feira, estando esta quinta-feira de manhã a menos de 900 quilómetros.

Os grupos oriental e central dos Açores vão estar na sexta-feira sob aviso vermelho devido à previsão de chuva e vento forte, informou o IPMA.

Segundo o IPMA, o grupo oriental (São Miguel e Santa Maria) e o central (Terceira, São Jorge, Graciosa, Pico e Faial) vão estar sob aviso vermelho entre as 03:00 e as 15:00 de sexta-feira devido à previsão de chuva e vento forte.

O aviso vermelho, o mais grave de uma escala de quatro, é identificado pelo IPMA como uma situação meteorológica de risco extremo, devendo as pessoas acompanharem a evolução das condições meteorológicas e seguir as orientações da Proteção Civil.

Os dois grupos dos Açores vão estar sob aviso laranja a partir das 12:00 de hoje e até às 03:00 de sexta-feira devido à chuva e vento, passando a partir dessa hora a aviso vermelho.

Os dois grupos estão igualmente em situação de aviso amarelo relativamente à agitação marítima, prevendo-se ondas com seis a oito metros, entre as 00:00 e as 15:00 de sexta-feira.

“Os vários modelos meteorológicos utilizados neste tipo de situação estão de acordo na trajetória do sistema, pelo que é de esperar que a tempestade atinja mesmo o arquipélago, especialmente durante a madrugada e manhã de sexta-feira”, explicou Carlos Ramalho, da delegação regional dos Açores do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Carlos Ramalho esclareceu que, “às 05:00 da manhã [de hoje], a tempestade estava a 905 quilómetros a sul-sudoeste dos Açores, com deslocamento para norte-nordeste, a uma velocidade de 30 quilómetros/hora”.

“A partir da noite de hoje, com a aproximação da tempestade 'Alex', espera-se um aumento gradual da intensidade do vento, de 80 km/hora no grupo oriental (ilhas de Santa Maria e São Miguel), sendo que a influência será sentida de forma mais intensa a partir da madrugada e durante a manhã de sexta-feira”, adiantou o meteorologista.


Quando atingir o arquipélago, os especialistas estimam que o vento será de 100 a 130 km/hora nos grupos oriental e central (ilhas Terceira, Faial, Pico, Graciosa e São Jorge), com “chuva forte e forte agitação marítima, com ondas de seis a oito metros para os dois grupos”.
 

À espera do ciclone


O IPMA prevê para esta quinta-feira, no grupo ocidental dos Açores (Flores e Corvo), períodos de céu muito nublado, tornando-se encoberto, aguaceiros fracos e vento leste muito fresco com rajadas até 65 quilómetros por hora.

No grupo central prevê-se períodos de céu muito nublado, tornando-se encoberto, períodos de chuva e vento leste fresco a muito fresco, temporariamente forte com rajadas até 75 quilómetros por hora na parte norte do grupo.

Para o grupo oriental, a previsão aponta para céu muito nublado, períodos de chuva que poderá ser forte, especialmente a partir da tarde, no nordeste de S. Miguel e, em Santa Maria, vento leste moderado a fresco, tornando-se forte com rajadas até 70 quilómetros por hora a partir da noite.

O Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores fez saber que o eventual impacto dos efeitos "pode ser minimizado, sobretudo através da adoção de comportamentos adequados".

Nesse sentido, o IPMA recomenda a desobstrução dos sistemas de escoamento das águas e a retirada de inertes e outros objetos que possam ser arrastados ou criem obstáculos ao livre escoamento, e a adequada fixação de estruturas soltas, como andaimes ou placards e outras estruturas montadas ou suspensas.

A Proteção Civil açoriana aconselha também a manter limpos os sistemas de drenagem e a consolidar telhados, portas e janelas, devendo a população ter especial cuidado na circulação junto da orla costeira e zonas ribeirinhas, não devendo praticar atividades relacionadas com o mar, nomeadamente pesca desportiva, desportos náuticos e passeios à beira-mar.
 

Ciclones são raros em janeiro


Um ciclone é uma depressão cujos ventos atingem velocidade elevada e, por norma, inclui precipitação, sendo uma situação que poderá originar fenómenos extremos de chuva, de vento e de agitação marítima, de acordo com o IPMA.

Este ciclone é, desde 1978, o primeiro a formar-se em janeiro e é também apenas o quarto conhecido neste mês desde que há registos, ou seja, desde 1851, alertou o IPMA.

“Nesta altura do ano não é normal ocorrerem tempestades tropicais, que são frequentes nos meses de verão e outono”, adiantou Carlos Ramalho, acrescentando à Lusa que uma melhoria do estado do tempo está prevista para a tarde de sexta-feira.