Os surtos recentes de sarampo na Europa causaram 35 mortos nos últimos 12 meses, entre os quais uma morte em Portugal, tendo a mais recente vitimado um rapaz de seis anos em Itália.

Nesse país, desde junho de 2016 que se registaram 3.300 casos de sarampo e duas mortes. Outros países também registaram casos e várias mortes: 31 na Roménia, uma na Alemanha e outra em Portugal.

Para Zsuzsanna Jakab, diretora regional da Organização Mundial da Saúde (OMS) para a Europa, “toda a morte causada por esta doença que se pode evitar com uma vacina é uma tragédia inaceitável”.

Estamos muito preocupados com o facto de, apesar de uma vacina segura, eficaz e acessível estar disponível, o sarampo continuar a ser uma das principais causas de morte entre crianças em todo o mundo. Infelizmente, a Europa não é poupada”, disse.

 

Trabalhar de uma forma muito estreita com as autoridades de saúde em toda os países da Europa afetados é a nossa prioridade para controlar os surtos e manter uma alta cobertura vacinal em toda a população”.

A região tem vindo a eliminar o sarampo. Um total de 37 países interrompeu a transmissão endémica, de acordo com a avaliação da Comissão Regional de Verificação para a Eliminação do Sarampo e Rubéola, com base em relatórios de 2015.

No entanto, persistem bolsas de baixa cobertura de imunização, as quais permitem que o vírus altamente contagioso se espalhe entre aqueles que optam por não vacinar, não têm acesso equitativo a vacinas ou não podem ser protegidos através da vacinação, por motivos de saúde.

Como resposta, alguns países adotaram medidas de forma a aumentar as coberturas de vacinação contra esta e outras doenças.