O presidente do Instituto de Patologia e Imunologia Molecular da Universidade do Porto (IPATIMUP), Sobrinho Simões, mostrou-se esta segunda-feira “muito contente” por ter sido eleito o patologista mais influente do mundo e disse esperar que aumente o interesse naquela especialidade.

“É evidente que fiquei muito contente exatamente por ser uma votação entre pares, de todo o mundo, em que há 100 nomeados e muitas das pessoas são patologistas que eu admiro imenso”, afirmou à Lusa Sobrinho Simões, no dia em que foi conhecida a publicação da primeira lista dos 100 patologistas mais influentes do mundo pela revista The Pathologist.

Questionado sobre a importância desta votação para a patologia portuguesa, o investigador disse que há poucos patologistas em Portugal e “cada vez em menor número porque é uma especialidade muito difícil, não se ganha muito bem e é muito exigente”.

“E, portanto, a visibilidade da patologia dada agora por esta eleição e sendo em Portugal e sendo a primeira vez, essa noção de que nós somos capazes de competir internacionalmente e de ser conhecidos torna interessante a profissão para jovens médicos quando estão a escolher a profissão e esperamos que isto possa ser usado como chamariz para aumentar o recrutamento de bons patologistas”, acrescentou Sobrinho Simões.

Entre as frases dos eleitores sobre o médico português selecionadas pela revista pode ler-se que Sobrinho Simões “contribuiu mais do que qualquer outra pessoa para a visibilidade da patologia na Europa” e que se trata de “um cientista proeminente de um pequeno país com poucos recursos, fundador de uma instituição proeminente que faz a diferença, sem sair do seu país”.

O professor da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP) sublinhou que terá ganhado “muitos votos a partir da Turquia, da Roménia, da Sérvia, do Brasil, da Colômbia”, por exemplo, por serem países de onde provêm muitos patologistas que passam pelo IPATIMUP e pela FMUP, locais "de acolhimento de patologistas de muitos sítios".

Na lista encontram-se outros dois nomes ligados ao IPATIMUP como o da também antiga presidente da Sociedade Europeia de Patologia Fátima Carneiro e o de Jorge Reis-Filho.