"Primeiro criaram as taxas para se poder trabalhar e agora obrigam a ter seguros. Parece que o objetivo é aumentar as complicações para gerir a nossa atividade”, alertou a responsável, referindo-se à última portaria que, na semana passada, veio definir que o exercício da profissão carecia da emissão de uma autorização que custa 110 euros.


"As pessoas que recorrem às amas têm normalmente algumas dificuldades financeiras, porque quem tem dinheiro opta por contratar alguém para ficar na sua casa, ficar todo o dia com os seus filhos e ainda tratar da casa. Se vão exigir mais este seguro, o custo de deixar uma criança na ama vai subir e muita gente não terá essa capacidade", alertou.