A Câmara de Lisboa vai restringir o horário da discoteca Barrio Latino, onde um segurança foi morto a tiro, após um pedido da Polícia de Segurança Pública (PSP) e de ter constatado irregularidades, anunciou hoje a autarquia.

Vários distúrbios com armas e drogas, na discoteca “Bairro Latino”, levaram a PSP a fazer vários pedidos à Câmara de Lisboa para retirar a licença e encerrar a discoteca, noticia o Diário de Notícias, deste sábado.

Em comunicado enviado à TVI, a autarquia confirma que "o estabelecimento tem em curso várias contra-ordenações de autos de notícias elaborados após fiscalização da Polícia Municipal e tem um pedido de restrição de atividade para limitar o horário de funcionamento, por parte da PSP, por perturbação da tranquilidade pública."

A Câmara Municipal de Lisboa informa agora que "irá proceder à restrição de horário solicitada pela PSP."

A decisão surge depois de um segurança ter sido morto com um tiro na cabeça ontem no final do turno à porta da discoteca. O alegado homicida fugiu a pé pela linha do comboio e continua a monte.

O segurança foi atingido  por um dos frequentadores da discoteca Barrio Latino, na zona portuária de Santos, na capital, que tinha sido expulso da discoteca depois de desacatos no interior.

“Os seguranças expulsaram do interior da discoteca um grupo de pessoas que se envolveu num desentendimento, e uma dessas pessoas, já no exterior, foi à sua viatura buscar uma arma de fogo com a qual atingiu o segurança, que foi transportado numa viatura particular para o Hospital de S. José, onde infelizmente, veio a falecer”, disse à Lusa fonte do comando da PSP de Lisboa.