O Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) do Porto acusou um homem de 529 crimes, nomeadamente de imigração ilegal e falsificação de documentos, indicou hoje o Serviço de Estrangeiro e Fronteiras.

O arguido, de 40 anos e que se dedicava a facilitar a imigração e permanência ilegal de cidadãos estrangeiros de origem asiática em Portugal, foi detido em maio de 2011 durante uma operação levada a cabo pelo SEF, tendo o DIAP do Porto deduzido a acusação esta semana.

O DIAP do Porto acusou o homem de 143 crimes de auxílio à imigração ilegal, 138 crimes de falsificação e 237 crimes de falsificação agravada.

O SEF adianta que o arguido se encontra igualmente acusado pelos crimes de branqueamento, detenção de arma proibida e contrafação de selos, cunhos, marcas ou chancelas.

Segundo o SEF, o homem foi detido em 2011, em Matosinhos, e ao longo de, pelo menos, quatro anos, ter-se-á dedicado «à legalização fraudulenta e altamente lucrativa» de cidadãos estrangeiros em Portugal, usando para tal «contratos falsos celebrados com mais de duas dezenas de empresas fictícias por si criadas, falsos descontos para a Segurança Social e moradas falsas ou de conveniência», cita a Lusa.

A investigação detetou mais de mil cidadãos que terão recorrido aos seus serviços, a troco de pagamentos que podiam ascender aos seis mil euros por cada tentativa de legalização, tendo conseguido amealhar, no último ano de atividade, mais de um milhão e quinhentos mil euros, indica aquele serviço de segurança.

O arguido desenvolvia a atividade criminosa principalmente nas regiões norte e centro do país.