O Ministério da Saúde propôs esta sexta-feira às Finanças a criação de uma carreira do médico dentista no Serviço Nacional de Saúde, anunciou o secretário de Estado Adjunto e da Saúde.

Fernando Araújo fez o anúncio na cerimónia de abertura do Congresso da Ordem dos Médicos Dentistas, que decorre em Lisboa.

Em declarações à agência Lusa, o secretário de Estado explicou que a recomendação para criar uma carreira do médico dentista na administração pública partiu do grupo de trabalho nomeado pelo Governo para analisar o enquadramento da atividade dos dentistas no âmbito do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Estas recomendações tiveram o parecer favorável do Ministério da Saúde e foi remetida a proposta para o Ministério das Finanças", acrescentou Fernando Araújo, sublinhando que "faz sentido criar esta carreira".

O bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas lembrou que esta é "uma aspiração com 35 anos" para os profissionais.

Para Orlando Monteiro da Silva trata-se de "um passo enorme para a profissão", que "vai ter impacto em todo o SNS, em toda a medicina dentária e nos utentes".

O bastonário recordou que é uma carreira especial e com um grau de complexidade elevado complexidade, semelhante à da carreira dos médicos.

Espero que se concretize muito rapidamente este enorme passo", desejou Monteiro da Silva.

 

Todos os agrupamentos de centros de saúde vão ter pelo menos um dentista

Esta sexta-feira o Ministério da Saúde também assegurou que todos os agrupamentos de centros de saúde em Portugal vão ter pelo menos um médico dentista dentro de dois anos.

Fernando Araújo anunciou que em 2018 e 2019 será reforçada a contratação de médicos dentistas para o SNS.

O objetivo é que nos próximos dois anos todos os agrupamentos de centros de saúde tenham pelo menos um médico dentista a trabalhar.

Em declarações à agência Lusa, o secretário de Estado lembrou que atualmente há cerca de 60 locais nos cuidados de saúde primários com médicos dentistas e que a ideia é chegar ao fim de 2019 com dentistas em cerca de uma centena de locais.

Fernando Araújo lembrou que a saúde oral e a medicina dentária foram áreas “esquecidas pelo SNS durante largos anos”.

As consultas de saúde oral em centros de saúde começaram a ser introduzidas em julho de 2016, com experiências piloto que decorreram em algumas unidades da Grande Lisboa e do Alentejo.

Entretanto, o projeto foi sendo alargado ao resto do país.