Os níveis de pólenes vão estar muito elevados em todo o país, a partir de sexta-feira e até ao final da próxima semana, alertou esta quinta-feira a Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica (SPAIC).

Nos dias 22 a 28 de abril, os pólenes vão estar em níveis muito elevados em Portugal continental, com predominância dos pólenes das árvores - pinheiro, carvalhos, bétula e plátano -, e dos das ervas gramíneas e parietária, na região de Trás-Os-Montes e Alto Douro.

Na região de Entre Douro e Minho, predominam na atmosfera os pólenes dos carvalhos, pinheiros, bétulas e das ervas urtiga, parietária e tanchagem, enquanto, na Beira Interior, os pólenes predominantes são os das mesmas árvores e das ervas gramíneas, azeda, urtiga e tanchagem.

Na Beira Litoral, os níveis de pólenes elevados devem-se principalmente às mesmas três árvores e às ervas urtiga e parietária, ao passo que, na região de Lisboa e Setúbal, predominam os pólenes de carvalhos, oliveira e pinheiro e das ervas urtiga, parietária, azeda e gramíneas.

O Alentejo vai estar mais afetado devido às azinheiras e às urtigas, gramíneas, azeda e tanchagem.

Quanto aos pólenes existentes no Algarve, destacam-se os das oliveiras, azinheiras, carvalhos e pinheiros e as ervas urtiga, gramíneas, tanchagem e quenopódio.

O boletim polínico prevê, para as ilhas, níveis de pólenes baixos a moderados, sendo que, no Funchal, predominam os dos pinheiros e bétulas e das ervas urtiga e parietária, e, em Ponta Delgada, prevalecem os dos pinheiros, plátanos e ciprestes e das ervas urtiga e parietária.