O serviço de consulta de doenças sexualmente transmissíveis no CheckpointLX, em Lisboa, gerido pelo Grupo Português de Ativistas sobre Tratamento de VIH/SIDA (GAT), foi encerrado depois de o Ministério da Saúde ter parado o financiamento, há oito meses.

O CheckpointLX é um centro dirigido a homens que têm sexo com outros homens, onde podem fazer o rastreio do VIH/SIDA e de outras doenças sexualmente transmissíveis de forma rápida, anónima, confidencial e gratuita, assim como ter acesso a aconselhamento e referenciação aos cuidados de saúde.

Em declarações à agência Lusa, o presidente do GAT explicou que este serviço, existente desde há três anos, contava com um apoio financeiro anual de cerca de 34 mil euros por parte do Ministério da Saúde, através da Direção-geral de Saúde.

Esta verba, de acordo com a informação disponível no site do GAT, servia para pagar análises, reagentes e kits médicos, a instituições públicas e a fornecedores.
 

“O GAT investia, dos apoios privados que recebe, um valor semelhante para completar a falta de financiamento, e muitos dos profissionais de saúde que asseguravam a consulta trabalhavam ‘pro bono’”, adiantou Luís Mendão.


De acordo com o responsável, o apoio financeiro foi acordado em 2011 e tinha a duração de três anos, tendo terminado em dezembro de 2014, sem que o atual Governo tenha apontado uma alternativa ou razão para a sua cessação.
 

“Mantivemos a consulta com trabalho ‘pro bono’ e com o dinheiro que conseguimos manter, mas, no final do mês passado, depois de olharmos para as contas, decidimos que não podíamos continuar a assegurar o pagamento ao Instituto de Higiene e Medicina Tropical e ao Instituto Português de Oncologia”, revelou.


Isto porque, explicou, era para estes dois institutos que eram encaminhadas as análises, depois de recolhidas na consulta.
 

“Estamos a tentar estabelecer um protocolo com o Ministério da Saúde para enviarmos as análises para o INSA [Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge], que é o laboratório nacional de referência para as IST [infeções sexualmente transmissíveis], apenas para que o Ministério pagasse as análises que nós para lá enviássemos”, adiantou Luís Mendão.


Segundo o responsável, o encerramento deste serviço faz com que haja apenas em Lisboa um centro de saúde, na Lapa, onde é possível fazer o mesmo tipo de serviço, de forma gratuita, mas que obriga a que as pessoas se desloquem ao local diariamente, já que não será possível marcar consulta.
 

“Estamos indignados porque o serviço do CheckpointLX, incluindo a consulta, foram considerados exemplos de boas práticas e de inovação pela Organização Mundial de Saúde e pela ECDC [Centro Europeu para a Prevenção e Controlo de Doenças]”, apontou.


Luís Mendão diz não compreender esta situação, quando, apontou, não existe outro serviço, incluindo no Serviço Nacional de Saúde, que assegure este tipo de consultas a um preço tão baixo como aquele que o GAT propõe.

“Parece-nos que é contra a ideia de saúde pública, de prioridade ao controlo da infeção por VIH/SIDA”, criticou.


A Lusa contactou o Ministério da Saúde, que remeteu o caso para a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, a qual disse que dará uma resposta durante o dia de hoje.

Em três anos de funcionamento, mais de mil homens tiveram consulta no CheckpointLX, tendo sido identificados mais de meia centena de jovens homossexuais em risco de cancro anal. Foram também feitos cerca de seis mil testes rápidos ao IHV/SIDA.