O Hospital do Litoral Alentejano (HLA), em Santiago do Cacém, e o Centro de Saúde de Odemira, concelho com a maior taxa de suicídio do país, disponibilizam aos utentes consultas de psiquiatria, a partir desta semana.

A nova valência nasce mediante acordo entre a Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano (ULSLA) e o Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa (CHPL), que assinaram esta segunda-feira um memorando de entendimento para a área da Psiquiatria.

A parceria envolve a prestação de cuidados de saúde, por médicos psiquiatras do CHPL, nas atividades programadas e não programadas de consulta dessa especialidade no Hospital do Litoral Alentejano, em Santiago do Cacém (Setúbal), e no Centro de Saúde de Odemira (Beja).

As consultas “vão ser feitas dois dias por semana, à segunda e terça-feira, por dois psiquiatras. No HLA, decorrem nos dois dias, enquanto em Odemira vão ter lugar à terça-feira”, explicou hoje à agência Lusa o presidente do conselho de administração da ULSLA, Jorge Sanches.

“O facto de haver uma oferta é que cria a procura”, argumentou o responsável, realçando que, à medida que as consultas forem decorrendo, em caso de necessidade, a sua periodicidade poderá ser aumentada.

Os psiquiatras já começaram hoje a dar consultas no HLA e esta especialidade vai iniciar-se, esta terça-feira, no Centro de Saúde de Odemira, acrescentou.

“Em Odemira, concelho que tem a maior taxa de suicídio do país, nunca houve consulta de psiquiatria. E esta situação é tão importante para nós porque, até agora, todos os concursos lançados na ULSLA tinham ficado desertos”, disse Jorge Sanches.


Trata-se, pois, continuou, de “um dia de satisfação”, graças à assinatura do acordo com o CHPL, que pode até abrir portas à eventual “criação de um serviço de psiquiatria na região”.

“É uma região absolutamente carenciada deste tipo de consulta e este é o primeiro passo para um serviço de psiquiatria. Desde que começámos a construir o protocolo com o CHPL, já temos psiquiatras a manifestarem interesse de virem viver e trabalhar na região”, destacou Jorge Sanches.

Criada em 2012, a ULSLA integra, além do HLA e da Unidade de Saúde Pública do Alentejo Litoral, o Agrupamento de Centros de Saúde do Alentejo Litoral, com cinco unidades e respetivas extensões.

A ULSLA responde às necessidades de cuidados primários, hospitalares e continuados do litoral alentejano, que abrange uma população global de cerca 100 mil habitantes, com um acréscimo de cerca de 20 mil em época estival.