Os casos de malária registados em Portugal duplicaram entre 2010 e 2013, ano em que a doença foi diagnosticada em 123 doentes, sendo todos casos importados.

Segundo o Sistema de Vigilância de Doenças de Declaração Obrigatória, cujo relatório foi divulgado esta terça-feira, a malária foi uma das patologias que mais subiu em quatro anos.

Os casos de malária aumentaram de 54 em 2010 para 123 em 2013, com os autores do documento a ressalvarem que este “aumento gradual” inclui apenas “casos importados”, o que significa que os doentes contrariram a doença em outro país.

O Sistema de Vigilância de Doenças de Declaração Obrigatória registou, em 2013, um total de 1.416 casos destas patologias.


De acordo com o relatório, disponibilizado no site da Direção Geral da Saúde (DGS), as cinco doenças com maior incidência de casos notificados foram a sífilis precoce, salmoneloses, febre escaro-nodular, parotidite epidémica e malária.

Além da malária, as outras quatro doenças registaram, em 2013, 186 casos (sífilis precoce), 171 casos de salmoneloses, 154 de febre escaro-nodular e 159 de parotidite epidémica.

“Uma doença de declaração obrigatória é aquela para a qual há informação frequente, regular e temporalmente adequada, relativamente aos casos de doença individuais, é considerada necessária para a sua prevenção e controlo”, lê-se no documento a que a Lusa teve acesso. 


O relatório não inclui, no entanto, os casos de infeção VIH/Sida, tuberculose, hepatites agudas B e C, hepatites virais não especificadas e outras hepatites virais agudas.

Esta exclusão deve-se ao facto destas doenças serem “alvo de vigilância específica, no âmbito dos respetivos programas e a sua monitorização ser efetuada com recurso adicional a outros sistemas de informação”.

O documento aponta para uma estabilização de incidência de notificações de casos de infeção e meningite meningocócica que, entre 2010 e 2013, totalizaram 323 casos: 90 em 2010, 83 em 2011, 76 em 2012 e 74 em 2013.

No mesmo período registaram-se 136 casos de infeção e meningite por Haemophilus influenza: 10 em 2010, 32 em 2011, 46 em 2012 e 48 em 2013.

Sobre a doença dos Legionários, o relatório indica 445 casos nesses quatro casos. Em 2010 registaram-se 111 casos, 98 em 2011, 139 em 2012 e 97 em 2013.

Relativamente à Doença de Creutzfeldt-Jakob, esta totalizou 44 casos em 2013: oito em 2010, oito em 2011, 12 em 2012 e 16 em 2013.