A empresa que gere a Linha Saúde 24 anunciou esta quarta-feira que vai recorrer às autoridades judiciais para apurar os responsáveis pelas chamadas falsas recebidas no dia em que vários enfermeiros não trabalharam como forma de protesto.

Num comunicado divulgado esta quarta-feira, a empresa diz que no dia 4 de janeiro as chamadas falsas e os contactos anónimos para a Linha representaram 15,7% do total das chamadas recebidas, o que deu origem «a tempos de espera anormalmente elevados».

A administração da Linha encara este episódio como um «ataque», sublinhando a «gravidade da situação», e afirma que vai promover as «medidas adequadas» junto do Ministério da Saúde e das Ordens profissionais «por eventual violação dos códigos deontológicos e de conduta profissional», noticia a Lusa.