"A ausência continuada de manutenção (ao longo dos mais de 30 anos de existência e trabalho dos cabeços) por parte da empresa Portos dos Açores, S.A., aos equipamentos de amarração implantados nos cais dos seus portos, em particular no porto de S. Roque", foi uma dos "fatores contributivos" para o acidente, lê-se no documento.
















“Politicamente, não me considero responsável pelo acidente, embora tenha a tutela, tanto na data do acidente como hoje, da parte setorial que engloba as duas empresas [Portos dos Açores e Transmaçor]”, disse Vítor Fraga, em conferência de imprensa na Madalena, Pico.