O jovem de 17 anos suspeito de ter assassinado um outro jovem, de 14 anos, que foi encontrado morto na quinta-feira em Salvaterra de Magos, ficou em prisão preventiva, foi anunciado esta sexta-feira.

De acordo com o juiz-presidente do Tribunal da Comarca de Santarém, João Guilherme Pires da Silva, que fez o anúncio, o suspeito ficará em prisão preventiva num estabelecimento para jovens em Leiria.

O jovem, sem antecedentes criminais, está “fortemente indiciado” da prática de um crime de homicídio qualificado cometido na pessoa de um jovem com 14 anos, na noite da passada segunda-feira, e de um crime de profanação de cadáver, alegadamente praticado no dia seguinte.

A medida de coação, a mais grave aplicável a suspeitos da prática de crime, foi justificada pela existência dos perigos de fuga, de perturbação do inquérito e, “em razão da natureza e das circunstâncias do crime e da personalidade do arguido, que este continue a atividade criminosa e ocorra perturbação grave da tranquilidade pública”, disse o juiz presidente.

O crime de homicídio qualificado, que implica a prática de um ato de crueldade para aumentar o sofrimento da vítima, é passível de uma pena de prisão de 12 a 25 anos, e o de profanação de cadáver a multa de 10 a 240 dias ou, em alternativa, a pena de prisão de um mês até dois anos, ambas passíveis de redução “abstratamente aplicável em julgamento por força do regime penal aplicável a jovens adultos”, adiantou.

O jovem, detido pela Polícia Judiciária na noite de quinta-feira para hoje, começou a ser ouvido pelo juiz de instrução criminal de Santarém às 17:04, tendo o interrogatório sido concluído às 20:32 e as medidas comunicadas cerca das 21:00.

A vítima, de 14 anos, foi encontrada morta na quinta-feira numa arrecadação de um prédio da vila de Salvaterra de Magos, tendo fonte policial dito à Lusa que o suspeito, agora arguido, era conhecido do jovem e morador na zona onde ocorreram os factos.

A mãe do menor participou o desaparecimento no posto da GNR de Salvaterra de Magos, distrito de Santarém, na segunda-feira à noite, tendo esta força de segurança e a Polícia Judiciária (PJ) iniciado, na manhã seguinte, as buscas para encontrar o jovem.