A reunião do Conselho de Segurança Privada, marcada para esta sexta-feira à tarde, foi adiada para 17 de novembro “por motivos de agenda”, indicou o Ministério da Administração Interna (MAI).

Na reunião, que vai decorrer no MAI, vai ser apresentado o relatório anual de segurança privada e discutida a situação do setor e as medidas administrativas e legislativas a adotar.

A reunião do Conselho de Segurança Privada foi convocada na semana passada pelo ministro da Administração Interna, depois da divulgação das imagens que mostravam seguranças a agredir dois jovens junto às instalações da discoteca Urban Beach, em Lisboa.

Integram o Conselho de Segurança Privada - um órgão de consulta do ministro da Administração Interna - os diretores nacional da PSP, SEF e PJ, a inspetora-geral da IGAI, o comandante-geral da GNR, a secretária-geral do Sistema de Segurança Interna, o secretário-geral do MAI, representantes das associações das empresas de segurança (Associação de Empresas de Segurança e Associação Nacional de Empresas de Segurança) e das associações de profissionais (Sindicato dos Trabalhadores dos Serviços de Portaria e Vigilância, Domésticas e Atividades Diversas e Sindicato dos Trabalhadores Técnicos de Serviços).

De acordo com o MAI, foram ainda convidados para a reunião representantes da Associação Portuguesa de Centros Comerciais, da Associação Portuguesa de Segurança, da Associação de Diretores de Segurança de Portugal, da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal, da Associação Portuguesa de Bancos, do Banco de Portugal e da Imprensa Nacional Casa da Moeda.