A força da Unidade de Controlo Costeiro da GNR resgatou esta segunda-feira 43 migrantes no mar Egeu, Grécia, no âmbito de uma operação de vigilância costeira da União Europeia, denominada Frontex.

Conforme adianta uma nota da equipa da GNR, destacada na ilha grega de Samos, tudo começou, cerca das 05:00, quando foi possível detetar uma embarcação na zona nordeste da ilha de Samos, Grécia, através de meios de visão noturna e da utilização do radar.

A lancha de vigilância e interceção Azóia intercetou, momentos depois, o que se verificou ser uma embarcação de borracha que transportava 43 pessoas", relata a GNR, precisando que os migrantes foram colocados a bordo da embarcação portuguesa e transportados até ao porto de Samos, onde foram entregues às autoridades locais.

O principal objetivo da Frontex é a prevenção, deteção e repressão dos ilícitos relacionados com a imigração ilegal, tráfico de seres humanos e outros crimes transfronteiriços, contribuindo também para a salvaguarda da vida humana.

Entretanto, a Polícia Marítima portuguesa resgatou no domingo 25 afegãos, incluindo quatro crianças e 11 mulheres, à deriva num frágil bote de borracha no Mar Egeu, durante uma travessia entre a Turquia e a Grécia.

A lancha da Polícia Marítima retirou todos os migrantes do bote, passando-os para a sua embarcação, onde foram transportados, em segurança, para o porto de Skala e entregues às autoridades gregas.

Em missão desde 1 de maio de 2017, integrada na missão Poseidon 2017, sob égide da agência europeia Frontex, a PM já efetuou 751 horas de navegação e apoiou e resgatou 563 migrantes que, em busca de uma vida melhor, continuam a arriscar a travessia do Mar Egeu, entre a costa da Turquia e a Grécia.