A UNESCO aprovou esta terça-feira a candidatura transfronteiriça de Bragança, Zamora e Salamanca a Reserva da Biosfera, a maior da Europa, que passa a integrar a rede mundial de sítios classificados pelo organismo internacional.

A decisão foi confirmada à Lusa pela comitiva portuguesa que, junto com os parceiros espanhóis, se encontra em Paris a acompanhar os trabalhos do Comité Internacional (Mabcouncil) responsável por esta área na organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura.

O Comité Internacional de Coordenação do Programa encontra-se reunido, em Paris, até sexta-feira para analisar um total de 26 candidaturas de 19 países.

A Reserva da Biosfera da Meseta Ibérica é a 15º transfronteiriça em todo o mundo e a maior da Europa, com uma área equivalente ao Norte de Portugal e que abrange municípios da Terra Fria, Terra Quente, Douro Superior e Beira Alta do lado português, e de Zamora e Salamanca, do lado espanhol.

Nesta região concentram-se várias áreas protegidas portuguesas e espanholas como os parques naturais de Montesinho, do Douro Internacional, de Sanábria e das Arribas do Douro, alguns território inseridos na Rede Natura, como a Paisagem Protegida da Albufeira do Azibo, Romeu, Sierra de la Culebra, Lagunas de Villafafila e Rio Sabor/Rio Maçãs.

A candidatura foi conduzida pelo Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial-ZASNET AECT.

O estatuto de Reserva da Biosfera é uma espécie de “selo de qualidade” atribuído pela UNESCO a territórios pelo uso e preservação da biodiversidade no âmbito do programa científico intergovernamental sobre o Homem e a Biodiversidade.

O propósito deste programa, criado no início da década de 1970, é promover a melhoria das relações entre os habitantes do planeta e o meio ambiente.

A rede mundial de reserva da biosfera conta mais de 600 sítios de mais de uma centena de países, com os Estados Unidos da América a liderarem a lista, seguidos de Espanha.

Com a aprovação da candidatura da Meseta Ibérica, Portugal conta oito sítios nesta rede mundial de Reserva da Biosfera.

A classificação já tinha sido atribuída a Boquilobo, que se estende pelos concelhos de Torres Novas e Golegã, às ilhas das Flores, Graciosa e Corvo, nos Açores, às Berlengas e Santana, na Madeira, e ao território transfronteiriço Gerês/Xurés, no norte de Portugal.