O número de primeiros pedidos de asilo na União Europeia mais do que duplicou, para os 1.255.600 em 2015, face ao ano anterior, segundo dados divulgados pelo Eurostat.

A maioria dos pedidos foi feita por sírios (362.800 pessoas), tendo o número duplicado face a 2014, seguindo-se os afegãos, cujos pedidos quase quadruplicaram para os 178.200 e os iraquianos, que apresentaram sete vezes mais solicitações de asilo (121.500 pessoas).

Estas três nacionalidades representam mais de metade do total de primeiros pedidos de asilo apresentados em 2015, segundo o gabinete oficial de estatísticas da UE.

A Alemanha é o país que registou maior número de novos pedidos (441.800, 35% do total da UE), seguindo-se a Hungria (174.400, 14%), a Suécia (156.100, 12%), a Áustria (85.500, 7%), a Itália (83.200, 7%) e a França (70.600, 6% do total).

Comparando com 2014, os primeiros pedidos de asilo tiveram o maior aumento na Finlândia (822%), seguindo-se a Hungria (323%), a Áustria (233%),a Bélgica (178%), a Espanha (167%) e a Alemanha (155%).

Em Portugal, o número de novos requerentes de asilo aumentou 89%, para 830, o que representa 0,1% do total da UE.

A maior parte dos requerentes em Portugal são oriundos da Ucrânia (370 pedidos, 45% do total nacional), do Mali (80, 10%) e do Paquistão (65, 8%).